Páginas

30 de março de 2011


Com as perdas, só há um jeito:
perdê-las.
Com os ganhos,
o proveito é saborear cada um
como uma fruta boa da estação.

A vida, como um pensamento,
corre à frente dos relógios.
O ritmo das águas indica o roteiro
e me oferece um papel:
abrir o coração como uma vela
ao vento, ou pagar sempre a conta
já vencida.

Um comentário:

Alê disse...

A D O R E I teu blog,

Me identifiquei com muita coisa aqui,

Bjo