Páginas

12 de março de 2011

Não que tenha me faltado companhia, mas em algum momento o abraço termina porque as pessoas têm as suas vidas. E ainda, o barulho das cidades têm me incomodado tanto quanto este silêncio denso. Então eu fico sem saber pra onde ir. E fico tão sonolenta e encolhida no meu canto até que alguém venha me abraçar novamente. E às vezes esse socorro demora tanto por causa da minha necessidade sempre tão urgente de tudo. De paz. Por não querer sufocar ninguém, fico aqui, sufocada.
Só estou te dizendo estas coisas porque acho estranho você não ter a menor curiosidade em saber como tenho me sentido. Depois de tudo. 
Porque não existe um segundo sequer em que eu não pense e queira saber e deseje que você esteja bem. Só isso.

5 comentários:

Juliana Dias disse...

Maravilhoso esse trecho. É como tenho me sentido no momento...

TODO MUNDO PROCURA AQUI disse...

Como é difícil entender a maneira certa de completar a existência e fazer valer cada segundo, amar, um fato necessário e pleno quando compreendido, na importância de ter e no momento de deixar por um tempo até mesmo para repor suas forças e continuar a ter a mesma intensidade.
E quem diria ser assim, pois na prática são muitas as vezes que acabamos por nos perder por completo.
Cada um ama, sempre a sua maneira, completo ou não existe em si, o fato real da presença plena deste sentimento eterno.
estarei aqui...aprendendo nos detalhes e dividindo minhas alegria, que hoje tenho achado nas letras e nos contos maravilhosos de muitos diamantes.

Leonardo Oliveira disse...

Muito legal o post. Parabéns!!!

vanessa disse...

Que demais, adorei o post (:

Beijos, Vanessa.
This Adorable Thing.

Amanda Lemos disse...

Parabéns, ótimo post :)

Muito interessante o blog !
Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir...;

www.bolgdoano.blogspot.com

Muito Obrigada, desde já !