Páginas

26 de março de 2011


No meio das defesas todas, havia algo que não se defendia, não sabia como se defender, não conseguiria, ainda que tentasse. Havia algo que delatava o desejo, os quarteirões da gente todos iluminados com o fogo feliz da sensualidade, iluminadas as ruas todas que dão acesso ao lugar onde o corpo e a alma costumam se encontrar e dançar numa única canção. Havia algo que não podia ser negado, preterido, amordaçado. Algo que inaugura primavera, tanto faz se é inverno. Algo raro e precioso. Que é perfeito, ao mesmo tempo que consegue incluir todas as imperfeições. Que é lindo, ao mesmo tempo que consegue integrar as esquisitices todas que gente também tem.
Havia amor e, de um jeito ou de outro, sabíamos sem nos dizer, havia chegado pra ficar.
O amor quando é amor é amor.

4 comentários:

Giselle M. Reis disse...

Lindo esse trecho.

Obrigada pelo selinho *-*
Bjo, bom FdS

Vanessa Ribeiro disse...

Havia amor, sempre há. São coisas que só quem sente entende! Chega pra ficar, vai sem dizer adeus. É, é lindo amar, tão necessário como respirar.
Adorei o texto. Me tocou muito.
Parabéns.

Hely ° disse...

E a gente entende no olhar e a forma com
que somos tratadas, o carinho...

Bom final de semana...Bjaum.*.*.

Rô... disse...

oi Caroline,
fiquei muito feliz de te ver no meu blog,

adorei o seu ,viu?
e tem toda razão,
o amor qdo é amor,
é amor...

beijinhos