Páginas

21 de março de 2011


Por isso o amor dói, e me refiro ao verdadeiro amor. Não falo dos capitalistas, dos materialistas, dos “dinheiristas”. Falo dos amores que antecedem qualquer ato de possuir ou não, os amores pobrezinhos, os amores idealistas e sonhadores. O amor dói, mas dói naqueles que são capazes por aceitar o amor como essa coisa tão simples e imprescindível. Agradeço por essa dor permanente de amar, de me ultrapassar: o amor antes de ser um sentimento, é um ato de coragem.

2 comentários:

Juliana Dias disse...

E põe ato de coragem nisso. Só sabe, quem já o sentiu....

bj

Ana SS disse...

Os amores pobrezinhos são os mais ricos. E os impossíveis, os mais cheios de possibilidades.
Que post bonito.